Home » Saúde

HPV tem cura?

HPV é um tipo de doença transmissível que atinge muitas mulheres em todo o mundo. Conheça os sinais, sintomas, tratamento e como evitá-la.

Clique abaixo para ir direto ao assunto desejado:

HPV tem cura

O HPV tem cura, porém a eliminação do vírus, pode acontecer até 2 anos depois da infecção se manifestar. Os especialistas consideram como cura total, a eliminação do vírus, por meio principalmente da ação do sistema imunológico.

HPV tem cura?

Também é considerada cura do HPV, quando é realizado o tratamento de remoção total das lesões, como verrugas ou papilomas. As lesões são eliminadas e curadas completamente, mas o paciente deverá manter acompanhamento médico regular.

O vírus pode permanecer dormente sem causar lesões, por isso a importância dos exames preventivos de rotina para garantir a cura.

Com o avanço científico na detecção e no tratamento das infecções, podemos considerar que o HPV tem cura. No entanto, a cura irá depender sempre da competência do médico escolhido e da informação dos pacientes. Por isso, consulte o seu médico e mantenha-se sempre bem informado!

O que é HPV?

Saiba o que é HPV em outro artigo já publicado aqui no site.

O HPV é a sigla em inglês usada para designar a família do vírus Papiloma Humano. Esta família de vírus causa doenças transmitidas em relações íntimas. O conjunto destas doenças é popularmente conhecido pelo nome do vírus.

A infecção pelo vírus é considerada uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns. Ela é tipicamente feminina, embora atinja os homens também.

A maior incidência é na mulher

As mulheres têm mais chances de contrair o vírus. Elas possuem baixa resistência às infecções quando comparadas aos homens, devido a alterações de imunidade em cada ciclo menstrual.

O vírus potencializa as chances da mulher desenvolver câncer no colo do útero. Estima-se que mais de 95% dos casos de câncer de colo do útero sejam causados pelo vírus.

Para fazer parte do grupo de risco, basta que a mulher tenha uma vida íntima sem uso de preservativos. Cerca de 50% a 80% das mulheres e até 70% dos homens, poderão contrair o vírus. A cada cinco brasileiras, uma é portadora do vírus.

Vale ressaltar que o vírus apresenta-se dividido em grupos de baixo, médio e alto risco. O tipo e gravidade dependem muito do local infectado, superfícies cutâneas ou órgão genital feminino. Seja qual for à área infectada, saiba que o HPV tem cura e em muitos casos, não deixa sequelas.

HPV tem cura mas pode provocar câncer

Normalmente as lesões são benignas, mas algumas lesões podem provocar do câncer de colo do útero ou o câncer peniano.

Principalmente quando se tem uma infecção persistente por anos.

Estima-se que o vírus seja responsável por cerca de 5% de todos os cânceres humanos. Assim, alguns tipos de infecções estão ligadas ao câncer cervical e câncer genital.

Nos últimos 20 anos, houve um aumento na incidência de cânceres associados ao HPV da orofaringe, parte média da garganta. O motivo desse aumento, está relacionado à mudança das práticas sexuais orais.

Se você for infectado com o vírus, é possível que apresente alterações de pele ou mucosa, mas sem sintomas.

O vírus

O HPV é um vírus capaz de infectar a pele e as mucosas, é transmitido principalmente por contato físico direto. Normalmente não causa doenças evidentes, mas pode causar verrugas ou papilomas benignos e, ocasionalmente pode levar ao câncer.

Dr. Roberto Marques fala sobre tratamento e prevenção do HPV na matéria do Cidade Notícias.

Eles infectam as células da pele e da mucosa, sendo a espécie humana um dos hospedeiros deste tipo de vírus. São conhecidos mais de 200 tipos de HPV, de alto, médio e baixo risco. Causando o desenvolvimento de lesões benignas ou malignas e lesões em locais específicos, como por exemplo, pele anogenital e mucosa.

O vírus tem a capacidade de entrar nas células da pele e mucosa. Unindo o seu material genético (DNA) com o material genético (DNA) das nossas células. Podendo utilizar disso para se multiplicar e causar alterações nestas células.

As alterações podem ser imperceptíveis e bloqueadas por nosso sistema imunológico. Podem ser leves, levando a lesões benignas como as verrugas. Mas podem causar alterações mais sérias ao longo de anos, levando ao câncer.

Alguns tipos de HPV são controlados por nosso sistema imunológico dentro de 1 a 2 anos, sem causar lesão. No entanto, se esses tipos de HPV persistirem, eles podem evoluir e se transformarem em lesões pré-cancerosas.

Existe a possibilidade do vírus ser responsável por um dos cânceres mais comuns nas mulheres, o câncer cervical. Além de outros tipos de câncer.

A infecção HPV pode afetar:

  • Pele das mãos, braços, pernas é pés
  • Pele da região genital
  • Mucosa genital
  • Mucosa anal
  • Mucosa da orofaringe (região do fundo da garganta)

Sintomas do HPV

A maioria das infecções não apresentam sintomas ou doenças, e resolvem-se espontaneamente. A grande maioria destas infecções são resolvidas dentro de 2 anos.

 

Os sintomas mais comuns são as verrugas

Há 13 tipos de HPV que se não tratados, podem evoluir para lesões benignas, como verrugas ou lesões cancerosas.

 

No entanto, quais lesões pré-cancerosas progridem e quais não, ainda é uma dúvida para a ciência. A maioria das lesões pré-cancerosas são detectadas por exames de prevenção e tratadas imediatamente.

A infecção persistente com tipos específicos de HPV de alto risco, podem progredir para o câncer cervical. Essa progressão geralmente leva muitos anos.

Verrugas genitais

Dependendo do tipo de HPV que você contrair, você pode ou não ter sintomas. Alguns tipos, podem causar verrugas genitais. Outros estão ligados ao câncer do colo do útero e outros órgãos. Alguns tipos causam verrugas comuns que você pode encontrar em outras áreas do corpo, como mãos e pés.

Os principais sintomas do HPV são as verrugas na pele, ânus, colo do útero, escroto, virilha, coxa e genitais.

Características das verrugas

  • Planas
  • Rosadas ou cor da pele
  • Forma de couve-flor
  • Única ou múltiplas
  • Pequenas ou grandes

Mas vale lembrar, que a melhor maneira de se diagnosticar é procurando um médico e fazer os exames necessários. Em muitos casos o HPV tem ocorrência assintomática e pode manifestar em áreas como o colo do útero.

O HPV é percebido apenas por exames mais específicos, daí a importância de exames ginecológicos regulares. Se não tratadas, as lesões na região do colo do útero, podem evoluir para um câncer.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, os sintomas do câncer de colo do útero, aparecem somente após o estágio avançado.

Sintomas do câncer de colo do útero

  • Sangramento irregular e entre os períodos menstruais ou sangramento vaginal anormal após a relação sexual
  • Dor nas costas, nas pernas ou pélvis
  • Fadiga, perda de peso, perda de apetite
  • Desconforto vaginal
  • Apenas uma perna inchada
  • Sintomas mais graves podem surgir em estágios avançados

Destacamos a importância de uma avaliação médica regular em caso de dúvidas ou sintomas. Sendo fundamental o uso de preservativos em todas as relações sexuais.

O Exame do HPV

O exame para a detecção de lesões vai depender principalmente da localização. O médico deve avaliar as lesões e pelas suas características pedir exames para detectar o vírus. Desta forma, ele irá propor o tratamento mais adequado.

Prevenção do HPV

Os exames de prevenção apresentam um papel importante no rastreio e controle das infecções por HPV. A prevenção é mais frequente para o câncer cervical em mulheres.

Mas prevenções para o câncer anal também são preconizadas em populações de alto risco. Em contrapartida, os cânceres vaginais, vulvares e de orofaringe são muito raros para a triagem baseada na população.

O objetivo dos exames de prevenção é detectar o câncer precocemente ou lesões pré-cancerosas que são tratáveis​.

Exames para o câncer cervical

  • Exame de Papanicolau ou citologia é o teste mais utilizado
  • Detecção de DNA (material genético) do vírus
  • Detecção do RNA (material genético) do vírus

Para as mulheres, o teste de Papanicolau (ou citologia) não verifica especificamente a presença do vírus.  Mas sim mudanças nas células do colo do útero que podem ser causadas por este vírus. Neste exame, as células são raspadas da superfície do colo do útero e examinadas no microscópio para detecção de anormalidades.

Havendo alterações celulares, seu médico pode pedir ao laboratório, exames mais avançados. Ao encontrarem o DNA/RNA (material genético) do vírus, conseguem dizer com exatidão o tipo de HPV.

Recomenda-se a realização de uma citologia do colo do útero anualmente para mulheres que já começaram a sua vida sexual. A idade média de incidência do câncer de colo do útero é de 49 anos.  A maioria dos diagnósticos é em mulheres com idade entre 30 e 55 anos. Por isso a importância dos exames de rotina para mulheres nesta faixa etária.

Cura do HPV no homem

No homem o HPV tem cura e a infecção pelo vírus é o tipo mais comum de infecção sexualmente transmissível. Está relacionado ao alto risco de câncer, anal ou peniano.

Os homens também precisam ter uma atenção especial quanto aos cuidados de prevenção desta infecção e exames de rotina.

Estudos recentes apontam que a vacinação é uma abordagem preventiva potencial também para os homens.

Dr Juliano Plastina fala sobre a transmissão sexual do vírus HPV que afeta homens e mulheres.

Fatores de risco para HPV em homens

  • Maior número de parceiros sexuais atuais e no passado
  • Falta de circuncisão masculina
  • Início da vida sexual precoce
  • Falta do uso de preservativo
  • Parceira sexual com lesões cervicais (no colo do útero) de alto grau

As lesões em homens podem ocorrer na região anal, genital e mais raramente em boca e orofaringe. Além de pequenos nódulos, macios, únicos ou múltiplos e com coloração rosada ou semelhante a cor da pele.

Geralmente, não há sintomatologia, mas em caso de lesões deste tipo é importante procurar o médico imediatamente. Escroto, virilha e coxa também podem ser regiões afetadas.

HPV genital tem cura

A principal localização de infecções por HPV é na região genital. Assim, este assunto merece uma atenção especial.

Alguns tipos podem causar verrugas genitais e estas são apresentações benignas da infecção pelo vírus. A presença de lesões como verrugas ou papilomas genitais é um sinal de HPV.

HPV genital tem cura

As verrugas genitais podem aparecer semanas, meses ou anos após ter relações sexuais com uma pessoa infectada com o vírus. Portanto as pessoas podem não saber que estão infectadas.

Fatores de risco para progressão de lesões

  • Persistência da infecção por HPV (mesmo após tratamento)
  • Infecção por tipos de HPV de alto risco
  • Idade superior a 30 anos
  • Infecção por múltiplos tipos de HPV
  • Sistema imunológico deficiente (imunossupressão)
  • Tabagismo
  • História de lesões prévias por HPV

Fatores de risco para a persistência

  • Início precoce da vida sexual
  • Múltiplos parceiros sexuais
  • Tabagismo

Tratamento do HPV

A prevenção ainda é o melhor remédio para a doença. Portanto a melhor forma de prevenção, é evitar ter muitos parceiros e usar preservativo sempre! Além de evitar uma gravidez indesejada, evita também muitas doenças transmissíveis como o HPV. Embora exista a cura, esses vírus causam muitos transtornos.

Exame Papanicolau preventivo para HPV

O HPV tem cura, mas recomenda-se fazer os exames preventivos como o Papanicolau anualmente. Já os infectados pelo vírus, devem realizar os exames preventivos periodicamente. Pois muitas vezes, o vírus fica encubado esperando uma queda de imunidade para voltar a se manifestar. Se passados cinco anos e o vírus não mais se manifestar, estará efetivada a cura do HPV.

HPV tem cura mas é demorado

A mulher diagnosticada com o vírus, necessita de orientação e tratamento para se obter a cura por completo. O diagnóstico é importante para não haver disseminação do vírus. Assim são reduzidas as chances de surgirem outras doenças mais graves, como o câncer.

Mesmo quando concluído o tratamento, é recomendado que a mulher permaneça em acompanhamento médico semestralmente.

O tratamento consiste em eliminar as lesões com descamação e cauterização da área afetada. Em alguns casos, o tratamento pode demorar a surtir efeito. O principal é ter paciência e saber que o HPV tem cura.

HPV tem cura mas pode causar câncer de colo do útero

O câncer do colo do útero afeta as mulheres nas idades reprodutivas. Por isso a importância dos exames de prevenção e do tratamento. O longo processo de transformação da infecção para o câncer, oferece oportunidades para detecção e cura.

Testes de rastreio adequados são a citologia, bem como a inspeção visual e detecção do material genético do vírus. A OMS recomenda a triagem de mulheres entre 30 e 49 anos de idade, assegurando um tratamento eficaz. Nos casos de câncer de colo do útero, as opções de tratamentos podem ser a cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

HPV vacina

A descoberta do vírus HPV como causador de vários tipos de câncer, levou ao desenvolvimento de testes e vacinas eficazes. Os programas de vacinação e o rastreio, são fundamentais para a eliminação do câncer de colo do útero.

A cura do HPV é a prevenção através da vacina.

A indústria farmacêutica já oferece estas vacinas para prevenção do vírus, que garante maior tempo de imunidade no organismo. Seu tratamento é dividido em três doses. Uma aplicação inicial, a segunda após um mês e a última após cinco meses da segunda aplicação.

A vacina não apresenta contraindicação e nem efeitos colaterais. A aplicação é feita em mulheres de 9 a 45 anos de idade. Mulheres já contaminadas, podem tomar a vacina também. Dessa forma, diminui as chances de reincidência da doença.

HPV verrugas

Os diferentes tipos de HPV são responsáveis por uma série de lesões. Classificadas cientificamente como papilomas, condilomas, verrugas ou lesões hiperplásicas.

Popularmente, todas estas lesões podem ser designadas como verrugas, mais facilmente observadas pelos pacientes. Estas lesões apresentam um aumento de volume na pele ou na mucosa, exibindo projeções papilares ou uma superfície áspera.

As verrugas surgem mais frequentemente na região genital. Elas podem aparecer também na região anal e menos frequentemente na região oral, além da pele próxima a essas regiões.

O HPV tem cura, porém um número crescente de jovens, passaram a sofrer com verrugas genitais causadas por esse vírus.

Lesões visíveis e o estigma de uma infecção sexualmente transmissível, podem levar à disfunção sexual em indivíduos afetados. Embora benigno, o tratamento dessas lesões é demorado. Por isso a importância da prevenção e do contato frequente com o seu médico.

Fotos de lesões do HPV

Selecionamos algumas imagens clínicas de lesões para te ajudar a compreender melhor sobre a aparência desse vírus.

HPV tem cura

Verrugas HPV tem cura

HPV tem cura Verruga

HPV tem cura Verrugas

Quer saber mais? Então confira o vídeo HPV tem cura do canal Mundo Mulheres no YouTube.

Publicado por Carolina M
Revisado em 16/11/2017

Compartilhar

Comentar com Facebook

Receba novidades

  • ana chrystina

    28/02/16

    Estou com os sintomas mais não fui ao médico ainda, não sei como falar isso pra minha mãe..
    responder
  • katia regina

    22/12/15

    Se o utero for retirado, as verrugas continuarao a aparecer?
    responder
  • fatima carvalho dos santos

    26/11/15

    Eu to com hpv. não sei q eu faço mais ja usei tanta coisa
    responder
  • clara

    21/10/15

    Minha mãe ta com hpv ela ta com meto
    responder
  • marinúbia pinheiro moreira

    17/02/14

    Graças a deus nunca tive doenças venérias sempre uso preservativo
    responder
  • luiz carlos

    14/02/14

    Tenho uma amiga que está com hpv e disse-me que vai precisar tirar o útero. em que estágio o hpv não tem cura? estou preocupado podem me responder
    responder
  • vitor kevenn

    30/01/14

    Qe deus ilumine a vida de tds qe tenham hpv... amo jesus cristo
    responder

Comentar